NOTÍCIAS

15/02/2019
Gerenciando o impacto na liquidez de curto prazo | Covid-19

Faz poucos dias que as restrições impostas pela COVID-19 entraram em vigor e nem precisamos listar os desafios que todos enfrentamos no momento. Queríamos esboçar algumas reflexões sobre como as empresas podem gerenciar sua liquidez.

Nos tempos atuais, a liquidez de curto prazo deve ser o foco principal da maioria das companhias. É justo dizer que “cash is king”! Portanto, onde houver disponibilidade de recursos, tome e aloque cuidadosamente esse dinheiro em sua estrutura de capital.

Pelo que temos vivenciado, os bancos estão apoiando situações delicadas quando abordados. E, pela concentração do crédito nas mãos de poucos agentes financeiros no Brasil, seria natural esperar que tais instituições fossem difíceis nas renegociações. No entanto, muitos dos credores com os quais trabalhamos estão avaliando a situação atual como uma oportunidade, seja para aprimorar sua própria imagem, seja para reparar seu relacionamento danificado com o mercado. As empresas podem e devem usar essa disposição em benefício próprio.

Como assessores especializados no atendimento a empresas e empresários, resumimos abaixo algumas soluções de curto prazo, destacando ser fundamental você estar atento para não prejudicar seu relacionamento com os credores, que podem ser necessários para futuras discussões sobre aditivos e waivers. Sugerimos manter todos os stakeholders envolvidos e informados, reconhecendo que todos estamos nos acostumando a uma maneira totalmente nova de operar sob as restrições da COVID.

Você também pode ser interessar por…

Concluímos nova operação de M&A no setor de transportes

Temos a satisfação de comunicar mais uma transação da Condere com o Global M&A Partners agora no setor de transporte. Atuamos como assessor estratégico e financeiro da Lots, subsidiária da Scania, em sua primeira aquisição nas Américas, com a compra da Munden, uma...

Participamos do caderno especial do Valor

Crédito de empresas médias atrai dinheiro de fundos Elas são pouco endividadas, geram caixa e têm bons ativos para oferecer em garantia. Companhias de médio porte sempre passaram ao largo do mercado de capitais brasileiro, salvo raras exceções. Com as taxas de juros...