NOTÍCIAS

01/01/2016
Dez maiores bancos concentram 85,7% das operações de crédito do mercado

Maria Christina Carvalho – VALOR ECONÔMICO

O impacto do aperto de liquidez na oferta global de crédito doméstico é relativizado pelo fato de os grandes bancos concentrarem a parte do leão no mercado e terem sido menos afetados do que os demais. Os dez maiores bancos concentra 85,7% do saldo de crédito, de acordo com dados de junho do Banco Central (BC).

Um ano atrás, antes da escala dos bancos médios e pequenos turbinados por operações de lançamento de ações (IPOs, na sigla em inglês), os grandes dominavam um pouco mais, 86,6%.

O total de operações de crédito desse bloco de elite ficou praticamente estável entre um ano e outro, em R$ 696,3 bilhões. Já o saldo total dos 101 bancos cresceu 29,4% para R$ 812,5 bilhões.

Mesmo no bloco de elite o comportamento não foi uniforme. Enquanto Banco do Brasil, Itaú e Bradesco aumentavam as carteiras na faixa de 30%. Não muito distante ficaram a Caixa Econômica Federal, Unibanco e HSBC, com aumentos na faixa de 27% a 28%. Fora do parâmetro ficaram o Votorantim, cuja carteira saltou 60%; e o Safra, que reduziu o crédito em 1,9%.

Para o consultor Paulo Cury, da Condere, os bancos médios e pequenos e as financeiras terão que ajustar os negócios à nova realidade de dinheiro mais caro, menor liquidez e maior inadimplência. “Esse cenário vai afetar a rentabilidade das instituições financeiras. Elas terão que alocar o capital de forma mais inteligente, buscando os produtos de maior retorno”, afirmou Cury.

O financiamento de veículos, por exemplo, tem margens tão estreitas “quando o dinheiro é barato”, explicou. O financiamento de veículos exige grandes volumes negociados para ser viabilizado. Mas, segundo Cury, “não é hora de se pensar em grandes volumes.

Já o crédito consignado, mesmo com taxas baixas como o financiamento de veículos, oferece retorno melhor porque a inadimplência é muito baixa.

Segundo aconselha Cury, os bancos pequenos e médios devem se concentrar em operações como o crédito pessoal, que oferece maior retorno, apesar de ser mais arriscado. Outra alternativa que indica é o cartão de crédito, também operação de maior retorno e risco maior.

Cury afirmou que os bancos também devem voltar a se concentrar em eficiência e corte de despesas. “Após tempos de bonança, as empresas tendem a se acomodar”, afirmou.

A expectativa dos bancos médios é que a flexibilização dos compulsórios anunciada ontem melhore a distribuição da liquidez para os bancos pequenos e médios a médio prazo.

Você também pode ser interessar por…

Concluímos nova operação de M&A no setor de transportes

Temos a satisfação de comunicar mais uma transação da Condere com o Global M&A Partners agora no setor de transporte. Atuamos como assessor estratégico e financeiro da Lots, subsidiária da Scania, em sua primeira aquisição nas Américas, com a compra da Munden, uma...

Participamos do caderno especial do Valor

Crédito de empresas médias atrai dinheiro de fundos Elas são pouco endividadas, geram caixa e têm bons ativos para oferecer em garantia. Companhias de médio porte sempre passaram ao largo do mercado de capitais brasileiro, salvo raras exceções. Com as taxas de juros...